Eu nao te amei.Comeco 1 (Portuguese Edition) por Michael Pocock

March 21, 2019

Eu nao te amei.Comeco 1 (Portuguese Edition) por Michael  Pocock

Titulo del libro: Eu nao te amei.Comeco 1 (Portuguese Edition)

Autor: Michael Pocock

Número de páginas: 985 páginas

Fecha de lanzamiento: December 8, 2018

Descargue o lea el libro de Eu nao te amei.Comeco 1 (Portuguese Edition) de Michael Pocock en formato PDF y EPUB. Aquí puedes descargar cualquier libro en formato PDF o Epub gratis. Use el botón disponible en esta página para descargar o leer libros en línea.

Michael Pocock con Eu nao te amei.Comeco 1 (Portuguese Edition)

— Passageiros de Dear! O nosso avião fez a aterrissagem no Aeroporto Sheremetievo da cidade de Moscou! Infelizmente, por razões técnicas a escada de mão vai se dar dentro de uma hora. Pedimos desculpa e pedimos que todos se mantenham calmos! — a voz do capitão apressou-se no meu sonho. Ligeiramente abri olhos, esticados e olhei para fora em uma janela. O caminho de concreto cinza, edifício distante da vaidade terminal e habitual do aeródromo, deixado e no país misterioso abaixo do nome a Rússia, não causou nenhuma resposta na minha alma. Somente um mais, deixe e especial, tarefa … com o pagamento em uma tarifa tripla … Contudo do segundo minuto da expectativa de uma escada de mão senti-me um pouco doente à vontade: contrário às promessas do capitão no aeródromo obviamente ao nosso avião em uma velocidade louca a escada de mão apressou-se, fortemente adernando em voltas. Nele houve dois cavalheiros que balançam mãos e, julgando pelo ângulo da abertura de uma boca, algo grito. Atrás de uma escada de mão «o Mercedes» preto de um último modelo com copos coloridos apressou-se e constantemente pestanejava faróis.
— Começou! — Pensei e a título de prevenção verifiquei se perto de à mão documentos — em um hábito tratei o sucessor da KGB russa com o grande respeito se não contar, com o medo …
O motorista de uma escada de mão com o grito diminuiu a marcha no avião e sentimos o impacto no caso, e logo bata em uma porta e um grito que nos conseguiu até pelo isolamento sólido do salão:
— Eh, você o que lá, na natureza, adormeceu? Abra-se!